o que nem sempre é dito, mas deveria ser

O programa Mulheres Ricas está realmente dando o que falar no twitter. Eu mesma não assisti o episódio que foi ao ar na segunda-feira, mas com tantos links e falatório, já estou por dentro de tudo. Só não entendi o por quê do título. Convenhamos que há vários tipos de riqueza – material, espiritual, artística… –, mas exibicionismo não pode ser assim considerado. O que é exibido no programa é uma sucessão de lugares comuns e fantasias – algumas delirantes até – acerca do que o povão pensa que é ser rico.

Muitos anos atrás um casal de amigos abriu um estabelecimento comercial promissor. Tratava-se de uma loja de pastéis em um ponto badalado dos jardins. Ganhavam dinheiro, mas a custa de um trabalho insano. “Queria ter negócio próprio e na minha cabeça eu não iria trabalhar no dia em que preferisse ficar em casa; mas tem conta de aluguel, luz, funcionário etc e se deixo de abrir um dia, o prejuízo é muito alto”, avaliou Henrique depois de algum tempo. Sua conclusão é que como empresário ele tinha muito menos liberdade do que como empregado, pois tinha virado escravo do negócio.

Ricos de verdade não andam por aí se exibindo, até por medo de sequestro. Alguns realmente tem boa vida, mas são exceções, e não a regra. O rico fica a todo momento pensando em sua empresa e em como administrar seus bens, coisa que ocupa muito tempo. Nada a ver com a pose do sujeito que fica o dia todo bebendo champanhe e comendo caviar – a caricatura sempre presente nos enredos de novelas que passou a ser confundida com um retrato fiel do rico pelo grande público.

Boa parte dos ricos verdadeiros que acumulam cifrões também acabam reunindo riqueza cultural, pois uma das boas coisas que o dinheiro pode comprar é viagens e acesso ao que há de melhor nas artes. Adquirem assim um senso estético refinado, mesmo quando não têm mais dinheiro (o que acontece com frequência com famílias tradicionais depois de algumas gerações). Bem diferente de gente sem nenhum senso estético, que compra o que há de mais espalhafatoso apenas para mostrar (mesmo que não ostensivamente) que estes artigos tinham etiquetas com muitos zeros. Isso é algo de uma pobreza impressionante!

Por que será que as pessoas se recusam a enxergar a riqueza que existe em suas próprias vidas – com os relacionamentos, acontecimentos do dia a dia, qualidades pessoais, atitudes etc. – e ficam a sonhar com a vida idiota dos “ricos” que a TV mostra?

Anúncios

Comentários em: "Mulheres pobres" (3)

  1. Hellow tras chanpagne .hellow queremos comprar .hellow to comprando um aviao pra gemte faser compras em paris sem escala isso estressa né

  2. dou minha buceta por dinheiro quer tem que ter dinheiro .. seu pobre

  3. Fernanda Aguiar Magnani disse:

    Nova websérie: Mulheres pobres! Viva a democracia!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: